Plantão
CARPINA:

Assaltantes usaram cinco tipos de balas durante ataque a banco em Carpina...

Publicado dia 05/12/2018 às 08h20min
Segundo a Defesa Civil de Carpina, a rota de fuga foi por Lagoa de Itaenga, onde houve troca de tiros

Segundo a Defesa Civil de Carpina, os assaltantes que atacaram a Caixa Econômica Federal na madrugada desta terça-feira (4) usaram cinco tipos de balas, sendo uma delas a .30, considerado um calibre forte, que fura blindagem. Na manhã desta terça, em Carpina, na cidade localizada na Zona da Mata Norte, havia marcas de bala em imóveis vizinhos ao local do ataque.

A fuga dos assaltantes foi efetuada em dois carros, um Cruze branco e uma Hilux preta. “As filmagens detectam claramente os veículos”, diz Sérgio Wicks, coordenador municipal da Defesa Civil. “Tem mais ou menos uma rota de fuga traçada. Em Lagoa de Itaenga se viu esses mesmos dois carros e houve tiros. Então sabe-se que eles foram para aquele lado”, explica Sérgio. 

“Chegaram no trevo entre Feira Nova Glória do Goitá. Lá, tem um distrito chamado Manteiga. É em direção de Caruaru. Nesse distrito foi localizada uma caminhonete branca, que não aparece nas filmagens. Acredita-se que esse carro fazia parte, mas a polícia ainda vai verificar”, detalha.

Na manhã desta terça, a Polícia Federal fez a perícia no local. “A gente está colhendo vestígios, analisando as imagens do circuito interno, para que possamos então identificar esses bandidos”, diz Giovanni Santoro, assessor da PF. “Identificando, fica fácil solicitar os mandados de prisão preventiva e efetuar a captura de todos eles”, ressalta. 

“A ação dos bandidos foi por volta das 3h. Eles chegaram em dois carros na agência. Parte dessa quadrilha foi para o interior. Eles colocaram dois artefatos explosivos em dois terminais eletrônicos, causando explosão de grande proporção. E aí tiraram os valores. Esses valores ainda estão sendo contabilizados pela Caixa Econômica Federal. Depois, eles vão passar para a Polícia Federal, a fim de que faça parte da investigação”, detalha. 

Fonte: FolhaPE